Seguidores

curtir

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

CONSUMISMO DE BÊNÇÃO


Tenho observado a multiplicação e proliferação  de igrejas nos últimos anos e a rotatividade dos cristãos  e percebo que as igrejas tem se tornado uma espécie de “supermercados da fé” e os cristãos se transformaram em consumidores.  As pessoas vão às igrejas não motivadas pelo seu envolvimento com a pessoa de Jesus; mas pelo desejo de adquirir as bênçãos que Jesus pode dar. Algumas  pensam que fé é o poder sobrenatural que deve ser usado para conseguir dinheiro, casamento, emprego, estudo, prosperidade financeira e coisas do tipo; e tais pessoas devem ir à igreja para exercitarem a fé e conseguirem todas essas bênçãos. Entretanto, de acordo com a Bíblia, a fé genuína não está necessariamente relacionada com a aquisição de nenhuma dessas coisas. Se fosse assim, então os macumbeiros, os bruxos e os feiticeiros seriam pessoas cheias da fé bíblica.


Segundo a Bíblia, a fé está ligada ao seu relacionamento com Jesus, à maneira como você o vê, se aproxima dEle, se entrega a Ele e é mudado por Ele. Fé é deixar de lado os interesses pessoais e abraçar os interesses de Cristo; é abrir mão da própria vontade e realizar a vontade de Jesus; é deixar de buscar as coisas para si mesmo a fim de buscar o que Jesus deseja; é morrer para si mesmo a fim de viver para Deus.
Em João 6: 25 – 34, lemos que Jesus repreende os seus seguidores que desejavam segui-lo apenas por causa do pão que ele repartira a milhares de pessoas. Aqueles homens e mulheres que estavam seguindo a Jesus tinham uma  mentalidade consumidora. O que as motivava era a idéia capitalista de que seguir a Jesus poderia ser um bom negócio, uma boa fonte de renda e de prazeres consumistas. Eles não estão tão interessados na pessoa de Jesus; eles estão interessados naquilo que Jesus pode fazer por eles.  
Mas o que se pode concluir acerca deste tipo de pessoa? Em primeiro lugar, fica claro que eles não têm qualquer relacionamento pessoal com Jesus. Eles já ouviram falar de Jesus, já cantaram músicas que falavam de Jesus, já fizeram orações no nome de Jesus, já receberam bênçãos de Jesus, mas não têm qualquer relacionamento pessoal com Ele. Da mesma forma, essas pessoas não possuem um compromisso sério com a Igreja de Deus. Quando são confrontadas por algum princípio da Palavra de Deus ou quando não recebem a bênção que pediram, essas pessoas mudam de lugar ou de religião; vão de  igreja a igreja, de religião a religião e de filosofia a filosofia.
Elas ainda não experimentaram a salvação. Apesar de frequentarem a igreja, elas ainda não nasceram de novo. Veja o que aconteceu com os consumidores que seguiam a Jesus: “Ao ouvirem isso, muitos dos seus discípulos disseram: Dura é essa palavra. Quem pode suportá-la? Sabendo em seu íntimo que os seus discípulos estavam se queixando do que ouviram, Jesus lhes disse: Isso os escandaliza? Que acontecerá se vocês virem o Filho do homem subir para onde estava antes? O Espírito dá vida; a carne não produz nada que se aproveite. As palavras que eu lhes disse são espírito e vida. Contudo, há alguns de vocês que não crêem. Pois Jesus sabia desde o princípio quais deles não criam e quem o iria trair. E prosseguiu: É por isso que eu lhes disse que ninguém pode vir a mim, a não ser que isto lhe seja dado pelo Pai. Daquela hora em diante, muitos dos seus discípulos voltaram atrás e deixaram de segui-lo.” (João 6.60-66).
Gosto muito da reação do Rei Davi, quando vinha sendo perseguido  pelo filho Absalão que queria tomar-lhe o reino e estava no deserto com os poucos homens que se mantinham fiéis a Davi, ele compõe o Salmo 63 e cita “Porque a tua graça é melhor do que a vida; os meus lábios te louvam.” (Sl 63:7). Essa era uma declaração de fé que não dependia das bênçãos, mesmo que a própria vida estivesse em jogo, ainda assim o salmista entendia que a graça do Senhor era muito melhor do que suas bênçãos.
Creio que Deus nos abençoa e nos sustenta, mas não podemos transformar o culto em um exercício de busca de bênçãos, pois o grande objetivo do culto cristão é glorificar o nome do Senhor.
                Que o Senhor nos dê maturidade Cristã.
                                                              Rev. Ary Sérgio Abreu Mota 

Aprofundando nosso conhecimento: 

1 - Salmos 84: 1 – 12 – Alegria na presença de Deus
            2 - João 6: 1 -15 – Multiplicando e repartindo.
            3 - João 6:  25 – 35 – Fé consumista.
           4 - Filipenses 4: 10 – 20 – Alegria diante das dificuldades
           5 - consumista de bênção é advertido.
           6  – João 3: 16 – 22 – Nossas intenções sob a luz
           7 - Atos 8: 9 – 24 – Um consumidor de bênção Advertido. 
            8 - Apocalipse 14: 6 – 8 Nosso propósito:  Glorificar a Deus. 

domingo, 15 de outubro de 2017

CONFLITOS DE NOSSA ALMA
Gênesis 15:  1 – 21
INTRODUÇÃO
Tempos atrás tive a oportunidade de ouvir uma mensagem do Pastor Paschoal Piragini, da IBC de Curitiba, a qual me desafiou e me falou ao coração. Resolvi, então, fazer uma reflexão sobre esse tema. 
A primeira vista, olhamos para a Bíblia, e somos tentados a pensar que os heróis da fé, não tinham dificuldades. Eles são tão humanos quanto nós e  tem as mesmas dificuldades de cada um de nós. Quem nunca viveu um conflito de alma? Quem nunca teve uma grande crise emocional ou espiritual.?
Sim os homens e mulheres da Bíblia, também tiveram as suas angústia ou seus conflitos de alma que nós vivemos todos os dias.
ELUCIDAÇÃO
O texto que acabamos de ler fala dos conflitos da alma do Pai da Fé, chamado Abraão. É maravilhoso saber que o Espírito Santo preservou este relato para mostrar como o Pai da fé enfrentou esses conflitos de sua  alma.
PROPOSIÇÃO; Todo ser humano, em algum momento de nossa fé,  vai enfrentar algum momento de conflito em sua alma. Foi assim com Moisés, Davi, Abraão, Paulo, etc.
Transição:  Eu aprender com Abraão e sua história a enfrentar os meus conflitos pessoais.
I – O PRIMEIRO CONFLITO É O MEDO. V1  “Apareceu o Senhor a Abraão e disse: Abraão não tenha medo...” “Depois destes acontecimentos, veio a palavra do SENHOR a Abrão, numa visão, e disse: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande.”
O medo de Abraão tem conexão com o capitulo 14  - que narra a história de 4 reis que invadiram 5 reinos vassalos e levaram todos como prisioneiros Abraão juntou seus empregados, 318 homens, que não eram guerreiros, e foi lá e derrotou os 4 reis inimigos e trouxe todo mundo de volta a sua cidades. Inclusive seu sobrinho Ló.
O “Depois dessas coisas...” do cap 15:1 se refere a conjectura de Abraão de estar pensando que talvez esses reis se reorganizassem e viessem se vingar, os moradores de estavam nas cidades, tinham seus muros para se defender, mas Abrão morava em tendas e seus vizinhos também.  Pensava que quando viessem os primeiros seriam eles.
- O interessante é que o autor sagrado, não menciona que Abrão tinha medo, mas Deus tomou a iniciativa, Deus diz: Não temas, não tenha medo, Deus e capaz de descobrir e entender os conflitos mais íntimos de nossa alma.

A expressão “não tenha medo” ou “não fique com medo” aparece quatro vezes no livro de Josué (1.9; 8.1; 10.8; 11.6).
1.      Medo racional
·        É o medo que é proporcional ao nível de perigo que o ameaça. Medo racional é saudável e indispensável para nos proteger.
·        Um aspecto do medo racional é o temor a Deus, um respeito solene da santidade e do poder dele. É o temor no sentido de fugir de tudo que desagrada a Deus: o pecado, o mundo e o diabo. Não exceder a velocidade na estrada para maior segurança, não brincar com fogo etc;

2.      Medo exagerado
·        É o medo baseado na realidade, mas é desproporcional ao nível de perigo que nos ameaça. É um medo disfuncional, que paralisa ao invés de ajudar, retira a energia para se defender.
·        Existe medo exagerado de Deus. O saudável temor a Deus no leva a reverenciar e respeitar sua pessoa e fazer o possível para nos afastar do pecado. O medo exagerado de Deus nos leva a não confiar nele, não acreditar que Ele nos ama.

3.      Medo irracional
É o medo que não tem base na realidade atual da qual estamos conscientes. É ter medo de algo que não existe. Ligados ao medo irracional são as fobias e paranóias. Os discípulos certa ocasião tiverem medo de fantasma  (E os discípulos, ao verem-no andando sobre as águas, ficaram aterrados e exclamaram: É um fantasma! E, tomados de medo, gritaram.) Mt 14:26
Deus lhe dá uma visão: Veio a Palavra do Senhor numa visão. Três coisas para trabalhar o coração de Abraão:
1 – Uma ordem – Não temas
2 – Uma revelação:  Eu sou o teu escudo (proteção, amparo, defesa)
3 – Uma promessa – Grande será tua recompensa
Tudo isso é porque Abrão estava com medo. O Medo cria uma camada emocional em torno da nossa vida e nos impede de caminhar.
Como éramos crianças ficávamos com medo do monstro guarda roupa, ou do fantasma da escuridão.
Quando Deus diz não temas. É porque Ele usará sua misericórdia, e Ele está controle.
Deus diz. Abraão, não tem muro, mas Eu sou o teu escudo. É como se Deus dissesse Você deve confiar em mim, eu serei teu protetor.
Jesus disse aos seus “Eis que estou convosco todos os  dias até a consumação dos séculosMateus 28: 20
Deus pode te dar uma visão, ou pode de mandar alguém dar um abraço, uma palavra amiga.
Há momentos que não conseguimos ouvir a voz de Deus, mas Ele sabe de nossas dores e vai usar até uma frase solta no meio de um sermão.
Ilustrar - Uma lenda Índia conta a história de um rato que tinha pavor de gatos, até que um mágico concordou em transformá-lo em gato. Isso resolveu seu medo... até que ele encontrou um cachorro; então o mágico o transformou num cachorro. O rato-tornado-gato-tornado-cachorro ficou contente, até que encontrou um tigre; assim, mais uma vez, o mágico o transformou naquilo que ele mais temia.
            Mas, quando o tigre veio se queixar de ter encontrado um caçador, o mágico se recusou a ajudar. “Eu o transformarei num rato novamente, pois apesar de ter o corpo de tigre ainda tem um coração de rato!”.
O medo é provavelmente a causa principal do potencial perdido. Quantas pessoas, através da história, malograram na consecução de seus objetivos porque deram as costas a oportunidade: sentiram medo. (citado por Max Lucado no livro “Nas garras da graça”)
Como a gente enfrenta o medo? A gente enfrenta o medo quando a gente pode sentir a mão de Deus sobre a gente.
Deus sabe que seu medo e paralisante e você não vai sair desse lugar. Ele Diz: Não temas, Eu sou o teu escudo!
II – O SEGUNDO CONFLITO NA ALMA DE ABRAÃO FOI O DESÂNIMO -
“ Respondeu Abrão: SENHOR Deus, que me haverás de dar, se continuo sem filhos e o herdeiro da minha casa é o damasceno Eliézer?
3  Disse mais Abrão: A mim não me concedeste descendência, e um servo nascido na minha casa será o meu herdeiro.
4  A isto respondeu logo o SENHOR, dizendo: Não será esse o teu herdeiro; mas aquele que será gerado de ti será o teu herdeiro.
5  Então, conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade.
6  Ele creu no SENHOR, e isso lhe foi imputado para justiça.” ]
Desânimo é um estado de abatimento da alma. Certamente você já se sentiu nalgum tempo desanimado e sabe o quão desagradável é ficar desanimado. O desânimo que não é superado tende a agravar-se até ao ponto de a pessoa perder toda a motivação, a alegria e a perseverança.

Abraão tinha entregue todos os bens, e tesouros que retomou dos reis invasores. Ele não ficou com nada.
Ele não queria prosperidade, ele queria um filho. De que adianta ser próspero se não tinha um descendente e o Senhor havia prometido um filho.
Então Deus responde “Não será esse o teu herdeiro; mas aquele que será gerado de ti será o teu herdeiro. Então, conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade.  Ele creu no SENHOR, e isso lhe foi imputado para justiça”   O que Deus está dizendo é, eu fiz aquela promessa de descendentes a você e Eu sou o Deus que não muda. Eu vou cumprir.
O interessante que para a dúvida só há um motivo: a nossa fé. “Ele creu no SENHOR, e isso lhe foi imputado para justiça”   
Há pessoas que têm tanta fragilidade de alma que qualquer dissabor é capaz de fazer evaporar sua alegria. São pessoas melancólicas, tristes. Para corrigir esta deficiência na alma dos Seus discípulos, o Senhor estabeleceu o discipulado em Sua Igreja. Sendo discipulada a pessoa se expõe a ser ajudada a romper com suas deficiências.
Jesus quando falava aos seus discípulos e se despedia, disse “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” João 15:33

Quando cai a nossa fé, nós perdemos a capacidade de permanecer em meio as batalhas.

Se você chegou aqui desanimado, derrotado. Lembre-se  disso: A história que Deus está escrevendo na toda vida ainda não terminou, e Ele ainda está com a caneta na mão.

1 - Deus manda Abraão contar as estrelas. Ele não vai conseguir contar as estrelas e assim será a tua descendência. Eu estou trabalhando nas tuas promessas.
Quando estamos desanimados Deus nos dá a renovação de suas promessas. Devemos perceber em coisas que Deus ainda fará.. Olha pra cima e veja o que Deus ainda pode fazer:
Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais. Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.  Serei achado de vós, diz o SENHOR, e farei mudar a vossa sorte;” Jeremias 29:  11-14

O maior problema do desânimo é que ele pode levar à desistência. O discípulo que não readquire o bom ânimo de Cristo tende a desistir. A desistência leva a perder o fruto para o qual se semeou. Sobre isto o apóstolo Paulo escreveu: E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos. (Gl 6.9).


II  – O TERCEIRO  CONFLITO DA ALMA DE ABRAÃO FOI A INCERTEZA  
“ Disse-lhe mais: Eu sou o SENHOR que te tirei de Ur dos caldeus, para dar-te por herança esta terra.
8  Perguntou-lhe Abrão: SENHOR Deus, como saberei que hei de possuí-la?
9  Respondeu-lhe: Toma-me uma novilha, uma cabra e um cordeiro, cada qual de três anos, uma rola e um pombinho.
10  Ele, tomando todos estes animais, partiu-os pelo meio e lhes pôs em ordem as metades, umas defronte das outras; e não partiu as aves.”
            QUANDO Abraão recebe a promessa de que ele receberia a terra prometida por Deus. Ele tinha 318 empregados. Como eu vou tomar essa terra com apenas esses homens?
Sabe Abraão, as mesmas razões que você tem para acreditar que você vai ter um filho são as mesmas que você tem para acreditar que você entrará na terra.
Eu vou tirar os Jebuseus, girgaseu, etc. Essa terra é tua.
Mas Deus faz algo inusitado, era muito comum na época,
Era uma cerimônia de Pacto de corteEra comum pegar animais e cortava-os ao meio, e colocava em fileira. Significava que as pessoas que faziam isso estavam fazendo um acordo irrevogável, imutável e não pode ser violado.

CONCLUSÃO
Eu não sei como você chegou aqui esta noite, mas entendo que não sairá como entrou. Quais são os conflitos de sua alma?
Ilustrar – Jeremias foi jogado numa cisterna, um buraco profundo, e o Rei não gostava de sua profecia, e deu ordem para que ele fosse sustentado com pão e água, mas um dia algumas pessoas se lembram dele e o tiram. Ele estava magro, debilitado, fétido, mas quando saiu, ele viu que o reino tinha sido invadido, muitos morots, milhares, pessoas famintas até mulheres comendo seus filhos. Então ele descobre que o lugar mais seguro, não é na cidade, mas a cisterna. Deus o sustentou na cisterna. 
Se o seu problema é insolúvel, se a sua causa é sem solução, se a ciência, se os exames, se as circunstâncias são desfavoráveis. Jesus é o sim de Deus.
- 2 Coríntios 1: Pois, tantas quantas forem as promessas de Deus, nele está o sim; portanto é por ele o amém, para glória de Deus por nosso intermédio.
-Se referindo à gravidez de Isabel, o anjo disse a Maria:  Lucas 1:37  porque para Deus nada será impossível.
Deus nos abençoe

Monte Sião, MG,  02 de Julho de 2017  Rev. Ary Mota
Obs. Parte deste sermão foi inspirado em mensagem Do Pastor  Paschoal Piragini – IBC de Curitiba